Cadernos Junguianos - IV

Cardenos Junguianos

Sumário

Editorial
5

Artigos

A Vivência do Tempo na Terapia

Glauco Ulson
7

O Sonho em Pacientes Somáticos

Walter Boechat
19

Reflexões sobre Flexibilidade e Rigidez: o ponto de vista
da medicina psicossomática e da medicina arquetípica
sobre a inflamação das articulações

Nara Rodrigues Santonieri
32

Multiplicidade de Lágrimas: o choro e suas diferentes nuances

Letícia Capriotti
43

Considerações sobre o Arquétipo do Humor e do Riso

Victor Palomo
56

O Pequeno Príncipe, o Arquétipo do Puer
e a Linguagem Analítica

Lunalva Fiuza Chagas
65

A Era JK Revisitada: uma perspectiva simbólica

Helena Saldanha de Azevedo Santos
82

Saci-Pererê: um estudo sobre o arquétipo do trickster

Acací de Alcantara
90

O Resgate de Sofia no Mundo Pós-Moderno

Claudia Morelli Gadotti
109

Entrevista

Robert Bosnak – A Experiência de Sonhar
115

Resenhas

Juno

Edna G. Levi
125

O Verdadeiro Partirá ... O Outro é o Sonho

Paulo C. de Souza
129

O Mistério da Coniunctio – Imagens Alquímicas
da Individuação

Luciano Colella
131

Visitando o Sr. Campbell

Acací de Alcantara e Rubens Bragarnich
133

Evento

Homenageando James Hillman

Silvia Graubart e Gustavo Barcellos
135
Adolf Guggenbühl-Craig (1923-2008)
137
Orientações aos autores para publicação
138

 

A Vivência do Tempo na Terapia

Sinopse: Num percurso que vai da mitologia, passa pela filosofia, ciência e religião, o autor aponta as conseqüências da derrocada da visão de mundo racionalista: a possibilidade de percepção do espaço, do movimento e do tempo anímico, a aceitação do imaginário e do subjetivo, a realidade do inconsciente. Propõe que o tempo é o próprio eixo da alma e mostra, por meio de inúmeros casos clínicos, como ele determina nossas próprias vivências e os processos do mundo anímico.

O sonho em pacientes somáticos

Sinopse: O artigo sugere delimitações teóricas nos pensamentos de C. G. Jung e de
Michael Fordham para a compreensão da totalidade corpo–mente e dos fenômenos de somatização. Com esses fundamentos, estuda-se o caso clínico de uma paciente com a Síndrome de Sjögren primária, doença auto-imune que atinge as glândulas exócrinas do corpo. Procuram-se ainda fazer correlações entre o símbolo onírico e o
corpo adoecido como tendo conotação simbólica. Para tal, o autor faz uma reflexão em Jung: a questão do complexo psicofísico, o instinto psiquificado e o arquétipo
psicóide. Em Fordham: o modelo do Si-mesmo primal, a deintegração, reintegração e desintegração. (A somatização vista como uma desintegração.) Partindo desses pressupostos teóricos, estudam-se o campo transferencial, sonhos e evolução do caso clínico, tomando-se em consideração o psicossoma da paciente em sua totalidade.

Reflexões sobre Flexibilidade e Rigidez: o ponto de vista da medicina psicossomática e da medicina arquetípica sobre a inflamação das articulações

Sinopse: O objetivo deste trabalho é refletir sobre flexibilidade e rigidez, comparando o ponto de vista da medicina psicossomática, por meio da obra de Mello Filho, e o ponto
de vista da medicina arquetípica proposta por Alfred Ziegler. A inflamação crônica das membranas articulares, a artrite reumatóide, pode levar uma articulação da flexibilidade à rigidez. Verificamos que nos pontos de vista abordados podemos
encontrar a causa e o propósito do sintoma, o que faz com que as duas perspectivas se complementem. O trabalho faz menção, outrossim, à original perspectiva de
James Hillman, em que ele associa a flexibilidade ao puer e a rigidez ao senex, e nos dá sua proposta de solução para o problema.

Multiplicidade de Lágrimas: o choro e suas diferentes nuances

Sinopse: Tratando de um assunto que é tão pouco estudado como o choro, esse artigo se dedica a explicitar as diferentes singularidades dos choros: suas diversas causas, funções psicológicas e formas de manifestação. Chamando a atenção para o fato de que dificilmente o choro é respeitado e verdadeiramente ouvido, aqui se fala
da possibilidade de refinamento, aprimoramento, “educação” do choro e convida a ouvir o choro com um ouvido mais apurado e atento às nuances e particularidades
de cada um. Depois de fazer algumas relações entre o choro e a alquimia, o tema é trazido para o campo específico da prática da psicoterapia, em que se aborda a questão dos diferentes choros do paciente e suas funções e também as reações do analista diante deles, bem como a questão do choro do próprio analista.

Considerações Sobre o Arquétipo do Humor e do Riso

Sinopse: Este artigo tem como objetivo fazer algumas considerações sobre o humor e o riso através de períodos históricos, fundamentando suas raízes arquetípicas e tendo como desdobramento o interesse pelo tema presente na obra de Freud e Jung. O autor faz observações a respeito da importância do tema para a psicoterapia.

O PEQUENO PRÍNCIPE, O ARQUÉTIPO DO PUER E A LINGUAGEM ANALÍTICA

Sinopse: Trata-se de uma breve reflexão sobre o processo analítico, inspirada na obra de Antoine de Saint-Exupéry, O pequeno príncipe. Pensando na linguagem essencialmente metafórica do encontro analítico, busquei a relação com esse clássico de Exupéry, uma obra imagética capaz de tocar e espelhar a alma humana em todo o seu mistério e delicadeza de detalhes. Traçando um paralelo com o arquétipo do puer aeternus, o texto segue ressaltando a necessidade de acolher as imagens e solicitações da psique sem cair nos velhos padrões cristalizados no ego. O enfoque se dá no arquétipo em si e não em sua versão patologizada, tão explorada na literatura sobre o puer.

A ERA JK REVISITADA: Uma Perspectiva Simbólica

Sinopse: Este artigo trata de uma análise simbólica de alguns aspectos subjacentes à eleição e ao governo de Juscelino Kubitscheck de Oliveira: o cenário mundial do Pós guerra, o suicídio de Vargas, a história pessoal dele, sua personalidade aberta ao novo, sua criatividade e como ela se vinculava ao “homem cordial” de Sergio Buarque de Holanda. Enfoca também aspectos simbólicos relacionados à implantação da nova capital do Brasil: sua concepção, localização, projeto e a mobilização em torno de sua construção. Faz ainda uma correlação com o que estaria constelado na psique coletiva do povo brasileiro naquela ocasião e o mito do herói.

SACI-PERERÊ: um estudo sobre o arquétipo do trickster


Sinopse: O artigo aborda o arquétipo do trickster através do mito brasileiro do Saci-Pererê. A autora apoiou-se nos trabalhos realizados por Carl Gustav Jung para que o Saci fosse caracterizado como trickster na Psicologia Analítica e também estudou o pensamento de Câmara Cascudo e Renato Queiroz no âmbito da antropologia. Constata que a parte demoníaca e assustadora presente originalmente no mito foi abolida e o Saci se transformou em uma figura travessa, amigável, um garoto levado. Procurou responder a questão do que teria ocorrido com as características negativas do arquétipo que foram suprimidas da imagem do Saci. Sugere a hipótese de que o material desprezado ganha força no inconsciente e invade a consciência através da característica brasileira esperteza e astúcia, (“ser esperto”, “levar vantagem em tudo”). Desta forma teríamos uma nação sob a regência arquetípica do trickster. Aponta ainda para o paradoxo de que o trickster, em seus dois pólos, o de enganar e o de ser enganado, que conduz à identificação com o lado que engana e nos tornamos, ao contrário, uma sociedade de enganados. Dentro dessa dupla natureza, quem consegue dominá-lo pode obter riquezas, aqui interpretada como um ganho significativo de consciência. A possibilidade de libertação do domínio do arquétipo só pode dar-se através da conscientização, pois dentro do próprio mito se encontra a possibilidade de resolução do conflito; mas para que isso aconteça, ele precisa ser contado/considerado integralmente sem a supressão de traços essenciais.

O resgate de Sofia no mundo pós-moderno

Sinopse: A autora inicia o artigo com uma reflexão sobre a afirmação de Luigi Zoja de que o mundo materialista contemporâneo é um mundo antipsicológico. Para compreender essa relação, faz-se um aprofundamento nas influências do sistema capitalista na dinâmica psíquica. Finalmente, há uma amplificação da imagem
feminina de Sofia, como uma possibilidade de resgate do mundo imaginário e simbólico que se empobreceu nos dias atuais.


IPAC – Instituto de Psicologia Analítica de Campinas - CRP/SP sob nº 4520/J
Copyright ® 2013 - Todos os Direitos Reservados

Horário de Funcionamento: Segunda à Sexta-feira das 13h às 17h
Rua Caetano Olivo, 51 Est. Recr. San. Fernando Valinhos- SP 13278-134 Brasil

Tel : (19) 96077559 Fax: (19) 3881 2720 www.ipacamp.org.br e-mail: ipacamp@gmail.com