A Psicologia Analítica Juguiana tem atraído muitos estudiosos da Psique porque amplia e aprofunda a compreensão do homem e sua complexidade. Constitui a base teórica de uma das modalidades de Psicoterapia que vem se destacando atualmente: a Análise Junguiana. Correspondendo a uma necessidade crescente do desenvolvimento do indivíduo, numa sociedade que, cada vez mais, volta-se para o consumo e massificação, ela afirma a necessidade do autoconhecimento e da ligação entre consciência e inconsciente. Prevê um processo natural de crescimento em direção à inteireza da personalidade, conhecido como individuação.

Nossa Psique é moldada e influenciada por experiências da humanidade em toda a sua história de desenvolmento, o que condiciona nossa maneira de apreender e lidar com situações características e significativas para o ser humano, tais como: o nascimento, a morte, a luta contra os perigos da natureza, as fases de transição da vida (primeira infância, adolescência, maturidade, velhice), o anseio de fundir-se como outro indivíduo nas diversas dimensões humanas, a maternidade ou a paternidade, o medo diante da morte, ou ainda, uma experiência religiosas. Nessas ocasiões, o inconsciente, em sua dimensão coletiva, tende a manifestar-se através de certas imagens típicas de natureza simbólica.